O Iluminado
Autor
: Stephen King
Ano: 2005
Páginas: 581
Editora: Objetiva (posteriormente Suma de Letras)
Sinopse: Danny Torrance não é um menino comum. É capaz de ouvir pensamentos e transportar-se no tempo. Danny é iluminado. Será uma maldição ou uma bênção? A resposta pode estar guardada na imponência assustadora do hotel Overlook. Em O iluminado, quando Jack Torrance consegue o emprego de zelador no velho hotel, todos os problemas da família parecem estar solucionados. Não mais o desemprego e as noites de bebedeiras. Não mais o sofrimento da esposa, Wendy. Tranquilidade e ar puro para o pequeno Danny livrar-se das convulsões que assustam a família. Só que o Overlook não é um hotel comum. O tempo esqueceu-se de enterrar velhos ódios e de cicatrizar antigas feridas, e espíritos malignos ainda residem nos corredores. O hotel é uma chaga aberta de ressentimento e desejo de vingança. É uma sentença de morte. E somente os poderes de Danny podem fazer frente à disseminação do mal

O que achei:


Em "O iluminado" conhecemos a história de Jack Torrance. Por problemas com álcool perde o seu emprego e já não tem como sustentar a esposa Wendy e o filho Danny, e no desespero aceita ser zelado no hotel Overlook durante o inverno. Um período solitário em um hotel cheio de histórias. O seu dever é simples. Manter o hotel funcionando durante o período em que ele fica vazio. Simples não é? O que é encarar a solidão? Talvez será até bom. Vou enfim escrever o meu livro, minha esposa voltará a me amar ao invés de me achar um fracassado. E Danny... Bem, continuará sendo Danny.

Será?

"O iluminado" faz jus a ser um dos livros mais famosos de King. É muito bem escrito, bem pensado e inteligente. Confesso que a lentidão do início me atrapalhou sim, principalmente por ser uma leitora (como a maioria acredito) com o filme na cabeça, que esperava logo o circo pegar fogo, não. Se você vai esperando por isso, se acalme e saiba que o livro é construído em camadas. E foi só depois de muito tempo que eu me toquei disso (inclusive li este livro em outubro!). Eu fiquei muito tempo matutando qual a real provocação de "O iluminado". O que Stephen King está querendo nos mostrar com ele? Se é que ele está querendo mostrar algo.


Acho que a provocação deste livro é ser incomodo. É trabalhar com emoções tão assustadoramente reais que provocam medo. Receio. Confusão. E mesmo com toques sobrenaturais é mais realista que muitos livros que falam sobre cotidiano.

O que King quis mostrar com "O iluminado"? Ou melhor, qual a discussão? Pois aqui temos muitas se você esquecer o fator sobrenatural. O fator susto. "Quero um livro que me de medo". Mas do que você tem medo? O que é mais assustador do que a realidade? Do que um pai que vive atormentado por ações que no fundo ele não se arrepende? Ou de uma mãe atormentada pelas escolhas que fez? Ou de uma criança atormentada por tantas forças e tendo que ser capaz de enfrentá-las mesmo com a pouca idade.

Um hotel. Temos um hotel com tantas histórias de dor, de sofrimento e desespero. Um hotel assombrado? Sim. As dores reais marcam e cobram para sempre. Exigindo mais e mais. Exigindo mais sofrimento para que ele se alimente das pessoas miseráveis.

Por fim, o que posso dizer deste livro fora ele ser maravilhoso? Tão cheio de camadas que por um tris eu não consegui mergulhar. Talvez fosse o medo de se jogar. De se sujar. De encarar uma realidade de uma forma tão crua que assusta.

Este pode não ter sido o meu livro favorito do King. Talvez nem seja isso que ele deseje ser. Ele só quer ser lido. E desvendado. Mergulhe.
 

Sobre o autor:
Stephen King era um leitor fanático dos quadrinhos EC's horror comics incluindo Tales from the crypt, que estimulou seu amor pelo terror. Na escola, ele escrevia histórias baseadas nos filmes que assistia e as copiava com a ajuda de seu irmão David. King as vendia aos amigos, mas seus professores desaprovaram e o forçaram a parar. De 1966 a 1971, Stephen estudou Inglês na Universidade do Maine em Orono, onde ele escrevia uma coluna intitulada "King's Garbage Truck" para o jornal estudantil, o Maine Campus. Ele conheceu Tabitha Spruce lá e se casaram em 1971. O período que passou no campus influenciou muito em suas histórias, e os trabalhos que ele aceitava para poder pagar pelos seus estudos inspiraram histórias como "The Mangler" e o romance "Roadwork" (como Richard Bachman).

Nas telinhas:

O Iluminado é é um filme estadunidense de terror psicológico de 1980 produzido e dirigido por Stanley Kubrick, co-escrito pela romancista Diane Johnson e estrelado por Jack Nicholson, Shelley Duvall, Danny Lloyd e Scatman Crothers.

Sinopse: Durante o inverno, um homem (Jack Nicholson) é contratado para ficar como vigia em um hotel no Colorado e vai para lá com a mulher (Shelley Duvall) e seu filho (Danny Lloyd). Porém, o contínuo isolamento começa a lhe causar problemas mentais sérios e ele vai se tornado cada vez mais agressivo e perigoso, ao mesmo tempo que seu filho passa a ter visões de acontecimentos ocorridos no passado, que também foram causados pelo isolamento excessivo.


Trailer:


Sobre a edição:



 

Nota no Skoob:


Deixe um comentário

segunda-feira, 16 de janeiro de 2017

Resenha: O Iluminado - Stephen King

O Iluminado
Autor
: Stephen King
Ano: 2005
Páginas: 581
Editora: Objetiva (posteriormente Suma de Letras)
Sinopse: Danny Torrance não é um menino comum. É capaz de ouvir pensamentos e transportar-se no tempo. Danny é iluminado. Será uma maldição ou uma bênção? A resposta pode estar guardada na imponência assustadora do hotel Overlook. Em O iluminado, quando Jack Torrance consegue o emprego de zelador no velho hotel, todos os problemas da família parecem estar solucionados. Não mais o desemprego e as noites de bebedeiras. Não mais o sofrimento da esposa, Wendy. Tranquilidade e ar puro para o pequeno Danny livrar-se das convulsões que assustam a família. Só que o Overlook não é um hotel comum. O tempo esqueceu-se de enterrar velhos ódios e de cicatrizar antigas feridas, e espíritos malignos ainda residem nos corredores. O hotel é uma chaga aberta de ressentimento e desejo de vingança. É uma sentença de morte. E somente os poderes de Danny podem fazer frente à disseminação do mal

O que achei:


Em "O iluminado" conhecemos a história de Jack Torrance. Por problemas com álcool perde o seu emprego e já não tem como sustentar a esposa Wendy e o filho Danny, e no desespero aceita ser zelado no hotel Overlook durante o inverno. Um período solitário em um hotel cheio de histórias. O seu dever é simples. Manter o hotel funcionando durante o período em que ele fica vazio. Simples não é? O que é encarar a solidão? Talvez será até bom. Vou enfim escrever o meu livro, minha esposa voltará a me amar ao invés de me achar um fracassado. E Danny... Bem, continuará sendo Danny.

Será?

"O iluminado" faz jus a ser um dos livros mais famosos de King. É muito bem escrito, bem pensado e inteligente. Confesso que a lentidão do início me atrapalhou sim, principalmente por ser uma leitora (como a maioria acredito) com o filme na cabeça, que esperava logo o circo pegar fogo, não. Se você vai esperando por isso, se acalme e saiba que o livro é construído em camadas. E foi só depois de muito tempo que eu me toquei disso (inclusive li este livro em outubro!). Eu fiquei muito tempo matutando qual a real provocação de "O iluminado". O que Stephen King está querendo nos mostrar com ele? Se é que ele está querendo mostrar algo.


Acho que a provocação deste livro é ser incomodo. É trabalhar com emoções tão assustadoramente reais que provocam medo. Receio. Confusão. E mesmo com toques sobrenaturais é mais realista que muitos livros que falam sobre cotidiano.

O que King quis mostrar com "O iluminado"? Ou melhor, qual a discussão? Pois aqui temos muitas se você esquecer o fator sobrenatural. O fator susto. "Quero um livro que me de medo". Mas do que você tem medo? O que é mais assustador do que a realidade? Do que um pai que vive atormentado por ações que no fundo ele não se arrepende? Ou de uma mãe atormentada pelas escolhas que fez? Ou de uma criança atormentada por tantas forças e tendo que ser capaz de enfrentá-las mesmo com a pouca idade.

Um hotel. Temos um hotel com tantas histórias de dor, de sofrimento e desespero. Um hotel assombrado? Sim. As dores reais marcam e cobram para sempre. Exigindo mais e mais. Exigindo mais sofrimento para que ele se alimente das pessoas miseráveis.

Por fim, o que posso dizer deste livro fora ele ser maravilhoso? Tão cheio de camadas que por um tris eu não consegui mergulhar. Talvez fosse o medo de se jogar. De se sujar. De encarar uma realidade de uma forma tão crua que assusta.

Este pode não ter sido o meu livro favorito do King. Talvez nem seja isso que ele deseje ser. Ele só quer ser lido. E desvendado. Mergulhe.
 

Sobre o autor:
Stephen King era um leitor fanático dos quadrinhos EC's horror comics incluindo Tales from the crypt, que estimulou seu amor pelo terror. Na escola, ele escrevia histórias baseadas nos filmes que assistia e as copiava com a ajuda de seu irmão David. King as vendia aos amigos, mas seus professores desaprovaram e o forçaram a parar. De 1966 a 1971, Stephen estudou Inglês na Universidade do Maine em Orono, onde ele escrevia uma coluna intitulada "King's Garbage Truck" para o jornal estudantil, o Maine Campus. Ele conheceu Tabitha Spruce lá e se casaram em 1971. O período que passou no campus influenciou muito em suas histórias, e os trabalhos que ele aceitava para poder pagar pelos seus estudos inspiraram histórias como "The Mangler" e o romance "Roadwork" (como Richard Bachman).

Nas telinhas:

O Iluminado é é um filme estadunidense de terror psicológico de 1980 produzido e dirigido por Stanley Kubrick, co-escrito pela romancista Diane Johnson e estrelado por Jack Nicholson, Shelley Duvall, Danny Lloyd e Scatman Crothers.

Sinopse: Durante o inverno, um homem (Jack Nicholson) é contratado para ficar como vigia em um hotel no Colorado e vai para lá com a mulher (Shelley Duvall) e seu filho (Danny Lloyd). Porém, o contínuo isolamento começa a lhe causar problemas mentais sérios e ele vai se tornado cada vez mais agressivo e perigoso, ao mesmo tempo que seu filho passa a ter visões de acontecimentos ocorridos no passado, que também foram causados pelo isolamento excessivo.


Trailer:


Sobre a edição:



 

Nota no Skoob: