O Feiticeiro de Terramar (Ciclo Terramar #1)
Autor: Ursula K. Le Guin
Ano: 2016
Páginas: 176
Editora: Arqueiro
Sinopse: Há quem diga que o feiticeiro mais poderoso de todos os tempos é um homem chamado Gavião. Este livro narra as aventuras de Ged, o menino que um dia se tornará essa lenda.
Ainda pequeno, o pastor órfão de mãe descobriu seus poderes e foi para uma escola de magos. Porém, deslumbrado com tudo o que a magia podia lhe proporcionar, Ged foi logo dominado pelo orgulho e a impaciência e, sem querer, libertou um grande mal, um monstro assustador que o levou a uma cruzada mortal pelos mares solitários.

- Livro recebido através da parceira com a Editora Arqueiro. Obrigada ♥-

O que achei:


“– Quando vai começar meu aprendizado, senhor?
- Já começou – respondeu Ogion.
Fez-se silêncio, como se Ged estivesse hesitando em dizer algo.
- Mas ainda não aprendi nada!
- Porque você não descobriu o que eu estou ensinando.”


Goodreads

Em "O Feiticeiro de Terramar" conhecemos a história de Ged/Gavião, um jovem que logo cedo descobre ter poder. Para desenvolver seus talentos é convidado para ser aprendiz de Ogion, o mago de sua aldeia. O tempo passa e Ged, apesar de amar seu mestre, quer mais. Mais do que o mago lhe dá. É aí que Ged, agora Gavião, vai para Roke. Uma ilha onde ensinam uma magia mais poderosa, algo que ele estava esperando. E ali ele rapidamente se destaca e acha que está a caminho se ser o maior mago de todos. Assim como um dia alguém lhe falou que ele seria.

Um ponto muito interessante desta parte do livro é que podemos ver como o poder é perigoso. E de como ele pode "subir para a cabeça" fácil demais. Principalmente de um jovem como é o nosso protagonista. Um jovem mago que todos dizem que será grande, que será poderoso, que o seu poder é maior do que eles já viram nos últimos tempos.

Mas o que é o poder? Como conseguir lapidar um dom tão grande como o de Ged? 

Gretchen Edelen
Um ponto que eu gostei é que aqui não encontramos a típica jornada do herói. Aquele ser perfeito, com ótimas decisões e amado por todos. Pelo contrário até (se é que posso de fato determinar isso) encontramos um personagens que é influenciado pela ideia de poder, imaturo em muitos momentos e que tem algumas péssimas decisões. Mas aí você pode me questionar: Mas por que eu iria gostar de alguém assim? E aí te respondo. Porque ele é real. Tem erros, mas também tem acertos. Tem escolhas ruins, mas também lida com elas. Eu acho que faltam personagens assim hoje em dia. Encontramos muitas pessoas que não erram. E se erram são erros "socialmente aceitos" ou então de fácil conclusão.
Milan Fibigen
O personagem me lembrou por várias vezes Takezo, o personagem principalmente do mangá Vagabond. Um jovem que muitos dizem ser grande. Maior do que ele está pronto para ser. E a paciência de estar pronto é muitas vezes o maior desafio.

E é nesta gana por chegar a ser o maior mago de todos que faz Ged se perder. Em uma disputa boba com um desafeto da escola (que feriu o seu orgulho por mostrar habilidades que ele ainda não sabe) ele acaba despertando um mal. Um monstro, uma sombra, algo tão escuro que por pouco ele não morre. Cego, surdo, acamado. Tão vulnerável como ele sempre odiou estar. Se recupera aos poucos e tenta seguir em frente. Mas será que a lição foi aprendida?

Como ir contra esse mal? Mas afinal, quem é o seu maior inimigo? É isso que Ged tem que descobrir antes que seja tarde demais. 

A escrita de Úrsula é absolutamente envolvente. Apesar de simples, ela consegue com facilidade fazer com que a gente visualize o universo criado. Os personagens são marcantes (e olha que o povo vive mudando de nome, de lugar, de ideias) e eu consegui me importar com eles e com as suas decisões. Algo que eu gostei muito também é como ela tem uma forma "gráfica" de narrar. O livro é cheio de viagens e paisagens e a forma que a autora descreve é possível você visualizar os detalhes claramente do que ela quer que você veja ou sinta.

Pinterest
A sua forma de narrar me lembrou muito "Nome do Vento" e eis a minha surpresa ao ver que a autora foi inspiração para autores como Patrick Ruthfuss (autor de nome do vento) e o dono do mundo Neil Gaiman. Como não amar? Como não ser maravilhosa? Quem já leu "Nome do Vento" me diga se achou parecido também. Eu achei a forma de narrar principalmente. Aquela coisa meio "senta aqui que eu vou te contar uma história". Uma coisa meio Tolkien.

Goodreads

Por fim, destaco como está foi uma leitura super mega ultra gostosa! Bem rapidinho e que te faz sentir aquele tipo de fantasia de antigamente (o que na verdade esse livro é) estilo "Espada era a Lei" sabe? Com magos, dragões, magia e Mestre-aprendiz, e para os amantes de Harry Potter aqui temos um jovem mago aprendendo a ser grande. Super recomendo e mal posso esperar pelas continuações.

“Somente no silêncio a palavra, somente nas trevas a luz, somente na morte a vida: o voo do falcão brilha no céu vazio” 

Sobre o autor


Ursula Kroeber Le Guin escreveu romances, ensaios, contos, poesia e literatura infantil, destacando-se na Fantasia e na Ficção Científica. Os seus primeiros trabalhos foram publicados em 1960 e, desde aí, as suas obras exploram, nomeadamente, aspectos do taoísmo, anarquismo, etnografia, feminismo, psicologia e sociologia.
O Ciclo de Terramar, composto por cinco narrativas e um livro de contos, e o romance A Mão Esquerda das Trevas, parte do Ciclo de Hainish, são as suas obras mais conhecidas.

Sobre a edição:

Apesar de ser uma pessoa que sempre elogia as edições dos livros finos da Arqueiro, eu confesso que eu gostaria que esse livro fosse um pouco maior. É sim muito confortável de ler, mas eu acho que acabou ficando fino demais e não deixando uma lombada bonitinha. De resto tudo perfeito e adorei a capa com o dragão e que condiz muito com a história em ter um personagem chegando a um novo lugar.

Nota no Skoob

Beijos!


Deixe um comentário

sexta-feira, 30 de dezembro de 2016

Resenha: O Feiticeiro de Terramar - Ursula K. Le Guin

O Feiticeiro de Terramar (Ciclo Terramar #1)
Autor: Ursula K. Le Guin
Ano: 2016
Páginas: 176
Editora: Arqueiro
Sinopse: Há quem diga que o feiticeiro mais poderoso de todos os tempos é um homem chamado Gavião. Este livro narra as aventuras de Ged, o menino que um dia se tornará essa lenda.
Ainda pequeno, o pastor órfão de mãe descobriu seus poderes e foi para uma escola de magos. Porém, deslumbrado com tudo o que a magia podia lhe proporcionar, Ged foi logo dominado pelo orgulho e a impaciência e, sem querer, libertou um grande mal, um monstro assustador que o levou a uma cruzada mortal pelos mares solitários.

- Livro recebido através da parceira com a Editora Arqueiro. Obrigada ♥-

O que achei:


“– Quando vai começar meu aprendizado, senhor?
- Já começou – respondeu Ogion.
Fez-se silêncio, como se Ged estivesse hesitando em dizer algo.
- Mas ainda não aprendi nada!
- Porque você não descobriu o que eu estou ensinando.”


Goodreads

Em "O Feiticeiro de Terramar" conhecemos a história de Ged/Gavião, um jovem que logo cedo descobre ter poder. Para desenvolver seus talentos é convidado para ser aprendiz de Ogion, o mago de sua aldeia. O tempo passa e Ged, apesar de amar seu mestre, quer mais. Mais do que o mago lhe dá. É aí que Ged, agora Gavião, vai para Roke. Uma ilha onde ensinam uma magia mais poderosa, algo que ele estava esperando. E ali ele rapidamente se destaca e acha que está a caminho se ser o maior mago de todos. Assim como um dia alguém lhe falou que ele seria.

Um ponto muito interessante desta parte do livro é que podemos ver como o poder é perigoso. E de como ele pode "subir para a cabeça" fácil demais. Principalmente de um jovem como é o nosso protagonista. Um jovem mago que todos dizem que será grande, que será poderoso, que o seu poder é maior do que eles já viram nos últimos tempos.

Mas o que é o poder? Como conseguir lapidar um dom tão grande como o de Ged? 

Gretchen Edelen
Um ponto que eu gostei é que aqui não encontramos a típica jornada do herói. Aquele ser perfeito, com ótimas decisões e amado por todos. Pelo contrário até (se é que posso de fato determinar isso) encontramos um personagens que é influenciado pela ideia de poder, imaturo em muitos momentos e que tem algumas péssimas decisões. Mas aí você pode me questionar: Mas por que eu iria gostar de alguém assim? E aí te respondo. Porque ele é real. Tem erros, mas também tem acertos. Tem escolhas ruins, mas também lida com elas. Eu acho que faltam personagens assim hoje em dia. Encontramos muitas pessoas que não erram. E se erram são erros "socialmente aceitos" ou então de fácil conclusão.
Milan Fibigen
O personagem me lembrou por várias vezes Takezo, o personagem principalmente do mangá Vagabond. Um jovem que muitos dizem ser grande. Maior do que ele está pronto para ser. E a paciência de estar pronto é muitas vezes o maior desafio.

E é nesta gana por chegar a ser o maior mago de todos que faz Ged se perder. Em uma disputa boba com um desafeto da escola (que feriu o seu orgulho por mostrar habilidades que ele ainda não sabe) ele acaba despertando um mal. Um monstro, uma sombra, algo tão escuro que por pouco ele não morre. Cego, surdo, acamado. Tão vulnerável como ele sempre odiou estar. Se recupera aos poucos e tenta seguir em frente. Mas será que a lição foi aprendida?

Como ir contra esse mal? Mas afinal, quem é o seu maior inimigo? É isso que Ged tem que descobrir antes que seja tarde demais. 

A escrita de Úrsula é absolutamente envolvente. Apesar de simples, ela consegue com facilidade fazer com que a gente visualize o universo criado. Os personagens são marcantes (e olha que o povo vive mudando de nome, de lugar, de ideias) e eu consegui me importar com eles e com as suas decisões. Algo que eu gostei muito também é como ela tem uma forma "gráfica" de narrar. O livro é cheio de viagens e paisagens e a forma que a autora descreve é possível você visualizar os detalhes claramente do que ela quer que você veja ou sinta.

Pinterest
A sua forma de narrar me lembrou muito "Nome do Vento" e eis a minha surpresa ao ver que a autora foi inspiração para autores como Patrick Ruthfuss (autor de nome do vento) e o dono do mundo Neil Gaiman. Como não amar? Como não ser maravilhosa? Quem já leu "Nome do Vento" me diga se achou parecido também. Eu achei a forma de narrar principalmente. Aquela coisa meio "senta aqui que eu vou te contar uma história". Uma coisa meio Tolkien.

Goodreads

Por fim, destaco como está foi uma leitura super mega ultra gostosa! Bem rapidinho e que te faz sentir aquele tipo de fantasia de antigamente (o que na verdade esse livro é) estilo "Espada era a Lei" sabe? Com magos, dragões, magia e Mestre-aprendiz, e para os amantes de Harry Potter aqui temos um jovem mago aprendendo a ser grande. Super recomendo e mal posso esperar pelas continuações.

“Somente no silêncio a palavra, somente nas trevas a luz, somente na morte a vida: o voo do falcão brilha no céu vazio” 

Sobre o autor


Ursula Kroeber Le Guin escreveu romances, ensaios, contos, poesia e literatura infantil, destacando-se na Fantasia e na Ficção Científica. Os seus primeiros trabalhos foram publicados em 1960 e, desde aí, as suas obras exploram, nomeadamente, aspectos do taoísmo, anarquismo, etnografia, feminismo, psicologia e sociologia.
O Ciclo de Terramar, composto por cinco narrativas e um livro de contos, e o romance A Mão Esquerda das Trevas, parte do Ciclo de Hainish, são as suas obras mais conhecidas.

Sobre a edição:

Apesar de ser uma pessoa que sempre elogia as edições dos livros finos da Arqueiro, eu confesso que eu gostaria que esse livro fosse um pouco maior. É sim muito confortável de ler, mas eu acho que acabou ficando fino demais e não deixando uma lombada bonitinha. De resto tudo perfeito e adorei a capa com o dragão e que condiz muito com a história em ter um personagem chegando a um novo lugar.

Nota no Skoob

Beijos!