Tá todo mundo mal
Autor: Jout Jout
Ano: 2016
Páginas: 200
Editora: Companhia das Letras
Sinopse: Do alto de seus 25 anos, Julia Tolezano, mais conhecida como Jout Jout, já passou por todo tipo de crise. De achar que seus peitos eram pequenos demais a não saber que carreira seguir. Em tá todo mundo mal, ela reuniu as suas "melhores" angústias em textos tão divertidos e inspirados quanto os vídeos de seu canal no YouTube, "Jout Jout, Prazer".
Família, aparência, inseguranças, relacionamentos amorosos, trabalho, onde morar e o que fazer com os sushis que sobraram no prato são algumas das questões que ela levanta. Além de nos identificarmos, Jout Jout sabe como nos fazer sentir melhor, pois nada como ouvir sobre crises alheias para aliviar as nossas próprias!

O que achei

"O que é noção de ridículo? Eu nunca soube. Quem define esses ridículo? Como os seres humanos todos podem ter a mesma noção do que é ridículo e do que não é? Ninguém pode definir o que é fútil para mim, ninguém decide o que posso ou não fazer. Afinal é o meu corpo. Assim como eu decido se vou cortar ou não o cabelo da minha Barbie. Não importa, de verdade, se a minha prima acha que é uma má ideia. A boneca é minha, o corpo é meu, eu decido".

Confesso que eu sou uma das poucas pessoas desse Brasil que não conhece a Jout Jout. Para não dizer que sou totalmente alheia à sua existência, eu a "conheci" no snap da Thaynaraog (quem não segue, recomendo!). Mas mesmo vendo o amor da Thay pela Jout Jout eu não parei para ver um vídeo seu ou algo do tipo. 

Peguei esse livro no escuro, apareceu como novidade no site que eu baixo (FBI não me prende!) e por ser pequeno eu resolvi pegar  um dia de viagem de trabalho na estrada. Sei que uma grande comoção é gerada em torno desses livros de youtubers (tanto negativo quanto positivo), mas eu, como sempre ressaltei aqui no blog, sou bem relax de preconceitos literários então ISSO não me faz ler ou não um livro (claro não sendo biografias de youtubers crianças e adolescentes porque NÉ?).

ENFIM, o livro tem como temática crises que a autora passou durante sua vida. Seja ela na infância, adolescência e até mesmo na vida adulta.

Um ponto muito interessante é de como com o seu jeito irreverente, Jout Jout abre discussões sobre bullying, primeiro amor, puberdade, pílula anticoncepcional, família, escola, feminismo, empoderamento feminino, sociedade entre outros. Por várias vezes me identifiquei com as histórias e em outras eu pude abrir a minha mente para pensar em determinadas situações. Eu lamento o fato de que muitos não lerão o livro pelo preconceito e "boicote" aos livros que são de youtubers. Porem destaco aqui a ótima experiência que foi ler este livro. E agora quero conhecer o seu canal. 

Recomendo

Sobre o autor

Julia Tolezano é carioca, jornalista e criadora do canal "Jout Jout, Prazer".

Sobre a edição


Li no kindle, então não possodar uma opinião completa, porém, no quesito organizacação dos capítulos eu gostei muito. Tudo bem rapidinho (algumas inclusive não chegavam a ter um capítulo). Gostei e deixou a leitura bem dinâmica.

Nota no Skoob

Beijos!


Deixe um comentário

quinta-feira, 1 de setembro de 2016

Resenha: Tá todo mundo mal - Jout Jout

Tá todo mundo mal
Autor: Jout Jout
Ano: 2016
Páginas: 200
Editora: Companhia das Letras
Sinopse: Do alto de seus 25 anos, Julia Tolezano, mais conhecida como Jout Jout, já passou por todo tipo de crise. De achar que seus peitos eram pequenos demais a não saber que carreira seguir. Em tá todo mundo mal, ela reuniu as suas "melhores" angústias em textos tão divertidos e inspirados quanto os vídeos de seu canal no YouTube, "Jout Jout, Prazer".
Família, aparência, inseguranças, relacionamentos amorosos, trabalho, onde morar e o que fazer com os sushis que sobraram no prato são algumas das questões que ela levanta. Além de nos identificarmos, Jout Jout sabe como nos fazer sentir melhor, pois nada como ouvir sobre crises alheias para aliviar as nossas próprias!

O que achei

"O que é noção de ridículo? Eu nunca soube. Quem define esses ridículo? Como os seres humanos todos podem ter a mesma noção do que é ridículo e do que não é? Ninguém pode definir o que é fútil para mim, ninguém decide o que posso ou não fazer. Afinal é o meu corpo. Assim como eu decido se vou cortar ou não o cabelo da minha Barbie. Não importa, de verdade, se a minha prima acha que é uma má ideia. A boneca é minha, o corpo é meu, eu decido".

Confesso que eu sou uma das poucas pessoas desse Brasil que não conhece a Jout Jout. Para não dizer que sou totalmente alheia à sua existência, eu a "conheci" no snap da Thaynaraog (quem não segue, recomendo!). Mas mesmo vendo o amor da Thay pela Jout Jout eu não parei para ver um vídeo seu ou algo do tipo. 

Peguei esse livro no escuro, apareceu como novidade no site que eu baixo (FBI não me prende!) e por ser pequeno eu resolvi pegar  um dia de viagem de trabalho na estrada. Sei que uma grande comoção é gerada em torno desses livros de youtubers (tanto negativo quanto positivo), mas eu, como sempre ressaltei aqui no blog, sou bem relax de preconceitos literários então ISSO não me faz ler ou não um livro (claro não sendo biografias de youtubers crianças e adolescentes porque NÉ?).

ENFIM, o livro tem como temática crises que a autora passou durante sua vida. Seja ela na infância, adolescência e até mesmo na vida adulta.

Um ponto muito interessante é de como com o seu jeito irreverente, Jout Jout abre discussões sobre bullying, primeiro amor, puberdade, pílula anticoncepcional, família, escola, feminismo, empoderamento feminino, sociedade entre outros. Por várias vezes me identifiquei com as histórias e em outras eu pude abrir a minha mente para pensar em determinadas situações. Eu lamento o fato de que muitos não lerão o livro pelo preconceito e "boicote" aos livros que são de youtubers. Porem destaco aqui a ótima experiência que foi ler este livro. E agora quero conhecer o seu canal. 

Recomendo

Sobre o autor

Julia Tolezano é carioca, jornalista e criadora do canal "Jout Jout, Prazer".

Sobre a edição


Li no kindle, então não possodar uma opinião completa, porém, no quesito organizacação dos capítulos eu gostei muito. Tudo bem rapidinho (algumas inclusive não chegavam a ter um capítulo). Gostei e deixou a leitura bem dinâmica.

Nota no Skoob

Beijos!