Era Uma Vez No Outono (As Quatro Estações do Amor #2)
Autor: Lisa Kleypas
Ano: 2016
Páginas: 288
Editora: Arqueiro
Sinopse: A jovem e obstinada Lillian Bowman sai dos Estados Unidos em busca de um marido da aristocracia londrina. Contudo nenhum homem parece capaz de fazê-la perder a cabeça. Exceto, talvez, Marcus Marsden, o arrogante lorde Westcliff, que ela despreza mais do que a qualquer outra pessoa. Marcus é o típico britânico reservado e controlado. Mas algo na audaciosa Lillian faz com que ele saia de si. Os dois simplesmente não conseguem parar de brigar. Então, numa tarde de outono, um encontro inesperado faz Lillian perceber que, sob a fachada de austeridade, há o homem apaixonado com que sempre sonhou. Mas será que um conde vai desafiar as convenções sociais a ponto de propor casamento a uma moça tão inapropriada?

- Livro de parceria com a Editora Arqueiro. Obrigada ♥ -

O que achei

Na resenha do primeiro livro, eu falei o quanto estava ansiosa pelo livro da Lillian e do Lorde Westcliff. E Oh! Amei.

Lilian Bowman é americana e junto com a irmã e os pais se mudam para a Europa em busca de um marido. Porem, mesmo com uma grande fortuna as irmãs encontram problemas na busca, pois não correspondem ao comportamento que se espera de uma dama da época.

Lorde Westcliff é extremamente arrogante e exige completamento exemplar, é controlador, contido e um exemplar aristocrata da nobreza inglesa. Quem leu o livro anterior viu como ele era um mala. Mas como TODO personagem AZEDO dá em um livro incrível (oi Darcy), eu estava esperando ansiosa conhecer a história desse casal tão oposto.

Como Marcus está negociando com o pai de Lillian, ela irá passar uma temporada na sua casa e ele já está chateadissimo de ter que respirar o mesmo ar daquela mocinha tão insolente, porém quanto mais ele tenta fugir da presença da moça (inclusive fofinho armando um plano de ser seco na presença dela), mais eles se esbarram no meio da propriedade.

Lillian e a irmã amam aventuras. Tanto que a mãe não querendo que elas armem confusões na casa, as prendem no quarto. Dá certo? Não. Pois elas conseguem sair e se divertir. Em meio a um jogo com os empregados da casa, Marcus a vê e não consegue ignorar sua presença. E o que era ódio se torna fogo. Marcus não sabe o que acontece, pois toda vez que chega perto da jovem, ao mesmo tempo que quer matá-la, quer beijar o seu corpo por inteiro (palavras dele!).

E nesses encontros calientes que Lillian vê que por baixo daquele jeitinho ogro, tem um ser fofo e cheio de amor pra dar. Aw como não amar?

Lillian foi uma personagem que eu amei. Ela não se deixava levar pelo azedume do conde e adorava provocar ele. E Lillian tem um dom. Não uma bela voz ou extraordinária beleza, o que ajudaria na busca de um marido como diria a sua mãe, mas um nariz "digamos assim" apurado. Ou melhor, a bicha sabe usar o nariz. Então, não ouse passar com cheiro de CC (nhaca) perto da Lillian porque ela vai logo dizer do que é composto o suor. E é inclusive por essa habilidade que ela ganha um perfume de um vendedor que, de acordo com ele, atrairá um marido para ela. E quando Marcus parece não resistir aos seus encantos ao sentir o aroma, Lillian rapidamente "culpa" o perfume pelo curioso interesse do rapaz que antes parecia odiá-la.

Ah. Nem preciso dizer o que achei de Marcus não é mesmo? Apaixonante! Eu sempre fico louca com personagem azedo e fico esperando o livro dele para vermos que de azedo ele não tem nada. Marcus sente nas costas a pressão de garantir a reputação da família e do que espera a sua mãe (megeraaaaaaa!!) já que ela que teve um passado nada "puro" acredita que o filho deve ser um exemplo de aristocrata.

Algo que eu amei no livro também é o fato de como a autora não fica focada em um plot inicial, quem costuma ler romances de época sabe que ele segue um "curso" meio novela. Personagens não aceitam o amor, personagem masculino faz umas besteiras, personagem feminina faz doce, ai eles descobrem que se amam e BAM casamento e fim. Porém, algo que eu reparei já no primeiro volume, é que a Lisa não dá essa enrolada e os personagens meio que se tocam que se gostam já no meio e o conflito se dá mesmo por culpa dos fatores sociais e etc o que eu acho muito interessante de ser abordado pois dá realismo na história já que sabemos que nessa época os fatores sociais eram muito importantes e destruiam os amores mais fofinhos em "prol" de um bem coletivo. E em "Outono" não é diferente, Lillian era uma personagem que não conseguia marido por ser "americana" o que na época era considerados "ruins" no sentido de boas maneiras, já que as meninas não se comportavam como princesas do gelo que ouvem caladas o que o marido quer dizer. E o mais interessante de ver neste livro, o que me fez gostar bem mais dele do que do primeiro livro "verão", é que o conde passa por muitos conflitos para ir contra tudo aquilo que ele achava "certo", já que Lillian era tudo o que ele NÃO deveria procurar para ser sua esposa e mãe dos seus herdeiros. Foi fofo ver o amor chegando na porta dele, aquela coisa tão avassaladora que você nem sabe de onde foi atingido. E ainda mais por ele ter sido um personagem que julgou tanto o amigo (mocinho do livro um) por ter se apaixonado por alguém "não conveniente". Foi lindo ver as cenas em que a Lillian o deixava sem ar (e a coitada achando que era o perfume haha) e de como ele lutou por ela. E inclusive tendo forças para se colocar em primeiro lugar na família. LINDO.

Por fim, eu amei como a autora conduziu o livro, sabendo novamente trabalhar os outros personagens assim como as cenas fofíssimas do casal do livro um. O que eu mais amo em séries desse tipo (cada livro um casal) é como você continua a acompanhar aquele casal (mesmo que por pano de fundo) e fica sabendo das novidades da vida e de como eles continuam mais fofos que nunca.

E o que falar das cenas finais? Acontece tantas coisas, que só lendo! Bem novela. Confesso que até mesmo me surpreendi pelas cenas que a autora colocou! Quem diria que romance de época poderia ser tão emocionante? Peguem agora. Essa série é puro amor.

Amei e já quero o da Evangeline.

Sobre o autor

Depois de se formar na Universidade de Wellesley em Ciências Políticas, publicou seu primeiro romance aos vinte e um anos de idade. Em 1985, ela foi nomeada Miss Massachusetts e competiu o Miss America, em Atlantic City. Lisa está casada e tem dois filhos.
Em sua página na web, a autora conta: "Comecei a escrever romances porque sempre amei lê-los. Indiscutivelmente, fui uma nerd durante toda a escola primária e, mesmo "florescendo" na secundária, acredite, a nerd interior ainda estava aqui. Nunca pude imaginar um tempo melhor aproveitado do que lendo um livro, e este amor pela leitura, com o tempo, se traduziu num profundo desejo de escrever um."

Sobre a edição:

A capa de "Era uma vez no Outono" segue o mesmo estilo do volume anterior, partes de uma mocinha, apesar que dessa vez eu não achei que a moça da capa combinou muito com a vibe do livro. Mas adorei o tom quente bem cara de outono. Lindo. A diagramação continua de primeira, e o livro levinho do jeito que eu gosto pra ler no ônibus.

Nota no Skoob (4,5)

Confira a resenha do primeiro volumeSegredos de Uma Noite de Verão

Beijos!


Deixe um comentário

quarta-feira, 29 de junho de 2016

Resenha: Era Uma Vez No Outono (As Quatro Estações do Amor #2) - Lisa Kleypas

Era Uma Vez No Outono (As Quatro Estações do Amor #2)
Autor: Lisa Kleypas
Ano: 2016
Páginas: 288
Editora: Arqueiro
Sinopse: A jovem e obstinada Lillian Bowman sai dos Estados Unidos em busca de um marido da aristocracia londrina. Contudo nenhum homem parece capaz de fazê-la perder a cabeça. Exceto, talvez, Marcus Marsden, o arrogante lorde Westcliff, que ela despreza mais do que a qualquer outra pessoa. Marcus é o típico britânico reservado e controlado. Mas algo na audaciosa Lillian faz com que ele saia de si. Os dois simplesmente não conseguem parar de brigar. Então, numa tarde de outono, um encontro inesperado faz Lillian perceber que, sob a fachada de austeridade, há o homem apaixonado com que sempre sonhou. Mas será que um conde vai desafiar as convenções sociais a ponto de propor casamento a uma moça tão inapropriada?

- Livro de parceria com a Editora Arqueiro. Obrigada ♥ -

O que achei

Na resenha do primeiro livro, eu falei o quanto estava ansiosa pelo livro da Lillian e do Lorde Westcliff. E Oh! Amei.

Lilian Bowman é americana e junto com a irmã e os pais se mudam para a Europa em busca de um marido. Porem, mesmo com uma grande fortuna as irmãs encontram problemas na busca, pois não correspondem ao comportamento que se espera de uma dama da época.

Lorde Westcliff é extremamente arrogante e exige completamento exemplar, é controlador, contido e um exemplar aristocrata da nobreza inglesa. Quem leu o livro anterior viu como ele era um mala. Mas como TODO personagem AZEDO dá em um livro incrível (oi Darcy), eu estava esperando ansiosa conhecer a história desse casal tão oposto.

Como Marcus está negociando com o pai de Lillian, ela irá passar uma temporada na sua casa e ele já está chateadissimo de ter que respirar o mesmo ar daquela mocinha tão insolente, porém quanto mais ele tenta fugir da presença da moça (inclusive fofinho armando um plano de ser seco na presença dela), mais eles se esbarram no meio da propriedade.

Lillian e a irmã amam aventuras. Tanto que a mãe não querendo que elas armem confusões na casa, as prendem no quarto. Dá certo? Não. Pois elas conseguem sair e se divertir. Em meio a um jogo com os empregados da casa, Marcus a vê e não consegue ignorar sua presença. E o que era ódio se torna fogo. Marcus não sabe o que acontece, pois toda vez que chega perto da jovem, ao mesmo tempo que quer matá-la, quer beijar o seu corpo por inteiro (palavras dele!).

E nesses encontros calientes que Lillian vê que por baixo daquele jeitinho ogro, tem um ser fofo e cheio de amor pra dar. Aw como não amar?

Lillian foi uma personagem que eu amei. Ela não se deixava levar pelo azedume do conde e adorava provocar ele. E Lillian tem um dom. Não uma bela voz ou extraordinária beleza, o que ajudaria na busca de um marido como diria a sua mãe, mas um nariz "digamos assim" apurado. Ou melhor, a bicha sabe usar o nariz. Então, não ouse passar com cheiro de CC (nhaca) perto da Lillian porque ela vai logo dizer do que é composto o suor. E é inclusive por essa habilidade que ela ganha um perfume de um vendedor que, de acordo com ele, atrairá um marido para ela. E quando Marcus parece não resistir aos seus encantos ao sentir o aroma, Lillian rapidamente "culpa" o perfume pelo curioso interesse do rapaz que antes parecia odiá-la.

Ah. Nem preciso dizer o que achei de Marcus não é mesmo? Apaixonante! Eu sempre fico louca com personagem azedo e fico esperando o livro dele para vermos que de azedo ele não tem nada. Marcus sente nas costas a pressão de garantir a reputação da família e do que espera a sua mãe (megeraaaaaaa!!) já que ela que teve um passado nada "puro" acredita que o filho deve ser um exemplo de aristocrata.

Algo que eu amei no livro também é o fato de como a autora não fica focada em um plot inicial, quem costuma ler romances de época sabe que ele segue um "curso" meio novela. Personagens não aceitam o amor, personagem masculino faz umas besteiras, personagem feminina faz doce, ai eles descobrem que se amam e BAM casamento e fim. Porém, algo que eu reparei já no primeiro volume, é que a Lisa não dá essa enrolada e os personagens meio que se tocam que se gostam já no meio e o conflito se dá mesmo por culpa dos fatores sociais e etc o que eu acho muito interessante de ser abordado pois dá realismo na história já que sabemos que nessa época os fatores sociais eram muito importantes e destruiam os amores mais fofinhos em "prol" de um bem coletivo. E em "Outono" não é diferente, Lillian era uma personagem que não conseguia marido por ser "americana" o que na época era considerados "ruins" no sentido de boas maneiras, já que as meninas não se comportavam como princesas do gelo que ouvem caladas o que o marido quer dizer. E o mais interessante de ver neste livro, o que me fez gostar bem mais dele do que do primeiro livro "verão", é que o conde passa por muitos conflitos para ir contra tudo aquilo que ele achava "certo", já que Lillian era tudo o que ele NÃO deveria procurar para ser sua esposa e mãe dos seus herdeiros. Foi fofo ver o amor chegando na porta dele, aquela coisa tão avassaladora que você nem sabe de onde foi atingido. E ainda mais por ele ter sido um personagem que julgou tanto o amigo (mocinho do livro um) por ter se apaixonado por alguém "não conveniente". Foi lindo ver as cenas em que a Lillian o deixava sem ar (e a coitada achando que era o perfume haha) e de como ele lutou por ela. E inclusive tendo forças para se colocar em primeiro lugar na família. LINDO.

Por fim, eu amei como a autora conduziu o livro, sabendo novamente trabalhar os outros personagens assim como as cenas fofíssimas do casal do livro um. O que eu mais amo em séries desse tipo (cada livro um casal) é como você continua a acompanhar aquele casal (mesmo que por pano de fundo) e fica sabendo das novidades da vida e de como eles continuam mais fofos que nunca.

E o que falar das cenas finais? Acontece tantas coisas, que só lendo! Bem novela. Confesso que até mesmo me surpreendi pelas cenas que a autora colocou! Quem diria que romance de época poderia ser tão emocionante? Peguem agora. Essa série é puro amor.

Amei e já quero o da Evangeline.

Sobre o autor

Depois de se formar na Universidade de Wellesley em Ciências Políticas, publicou seu primeiro romance aos vinte e um anos de idade. Em 1985, ela foi nomeada Miss Massachusetts e competiu o Miss America, em Atlantic City. Lisa está casada e tem dois filhos.
Em sua página na web, a autora conta: "Comecei a escrever romances porque sempre amei lê-los. Indiscutivelmente, fui uma nerd durante toda a escola primária e, mesmo "florescendo" na secundária, acredite, a nerd interior ainda estava aqui. Nunca pude imaginar um tempo melhor aproveitado do que lendo um livro, e este amor pela leitura, com o tempo, se traduziu num profundo desejo de escrever um."

Sobre a edição:

A capa de "Era uma vez no Outono" segue o mesmo estilo do volume anterior, partes de uma mocinha, apesar que dessa vez eu não achei que a moça da capa combinou muito com a vibe do livro. Mas adorei o tom quente bem cara de outono. Lindo. A diagramação continua de primeira, e o livro levinho do jeito que eu gosto pra ler no ônibus.

Nota no Skoob (4,5)

Confira a resenha do primeiro volumeSegredos de Uma Noite de Verão

Beijos!