Trono de Vidro
Autor: Sarah J. Maas
Ano: 2013 
Páginas: 392
Editora: Galera Record
Sinopse: Nas sombrias e sujas minas de sal de Endovier, uma jovem de 18 anos está cumprindo sua sentença. Celaena é uma assassina, e a melhor de Adarlan. Aprisionada e fraca, ela está quase perdendo as esperanças quando recebe uma proposta. Terá de volta sua liberdade se representar o príncipe de Adarlan em uma competição, lutando contra os mais habilidosos assassinos e larápios do reino. Endovier é uma sentença de morte, e cada duelo em Adarlan será para viver ou morrer. Mas se o preço é ser livre, ela está disposta a tudo.

O que achei

"– Por que nenhum de vocês está aqui? – Guardas são inúteis em uma biblioteca. – Ora, como ele estava errado! Bibliotecas estavam cheias de ideias. Talvez as mais perigosas e poderosas armas."

O livro conta a história de Celaena. Que mesmo jovem é uma das assassinas mais legendárias do momento. Ao ser traída, foi capturada e mantida como escrava em uma prisão. Até que, é "chamada" pela príncipe e ele lhe propõe a liberdade em troca de que ela seja a sua representante na competição que vai escolher o campeão do rei.

Celaena (ou Calena que foi como eu li o livro todo) no início é tudo o que eu poderia pedir para uma protagonista.
É sarcástica, forte, determinada e se orgulha do que é e não abaixa a cabeça (não por vontade própria pelo menos) para ninguém.

Porém, acredito que no decorrer do livro ela se perdeu um "pouquinho" na paixonite (o que fez eu ter dificuldade de vê-la como assassina impiedosa e etc. Apesar dela ser a assassina mais sem habilidades que eu já vi). Mas nada grave. 
Claro que, devemos destacar que Celaena é uma personagem marcada por um passado que a obrigou a amadurecer e ser temida como uma forma de defesa daqueles que poderiam lhe fazer mal. Como escrava viu as piores coisas, estupros, espancamentos, viu gente morrer assim como também precisou matar. Acredito que isso foi uma tentativa da autora de mostrar que ela no fundo era "só uma adolescente". Não sei até que ponto tenho medo disso estragar os próximos livros.

A Celaena no castelo fica de frete com várias coisas que não são do seu natural. Cortesãs, princesas, vestidos extravagantes, fofocas e batalhas "silenciosas" pela atenção do príncipe.

Celaena precisa fingir ser uma ladra "afetada" que caiu de paraquedas na competição para que não vire algo caso revele a sua identidade de lendária assassina.

Mas parece que não só a competição coloca sua vida em jogo. Assassinatos começam a acontecer no castelo. E os competidores vão sendo assasinadas de forma bruta um a um. Será ela um alvo?.
E sim. Tudo indica que no decorrer da série lidaremos com um triângulo amoroso. Mas, pelo menos no nesse livro, Celaena indica se importar mais com ela acima de todas as coisas. O que eu acho ótimo e realmente espero que isso não mude. Não sei vocês, mas eu odeio quando o romance faz a personagem perder o foco do que é mais importante e toma decisões sem pensar.

Não que eu esteja shippando, mas eu adorei o capitão Chaol. E se a Celaena precisa da minha bênção (kkkk) para um namoro, que seja com ele.
Nada contra o príncipe! Mas eu tenho um pré desgosto com príncipes em livros desse tipo. Vai entender. Sou estranha. Chaol é "rabugento", aquele tipo que faz pequenos gestos fofos e finge que não liga. Own.

Mas quem sabe no decorrer não mudo não é? Estou tentando não me apegar a ninguém nesse sentido amoroso. Sou team Celaena mesmo.

Sobre a construção de mundo, eu gostei bastante do cenário do livro. As provas, os personagens e mais... Porém, devo destacar que não vi nada de "novo" neste primeiro livro da trilogia. Não quero comparar com outras séries já lançadas, mas eu não tive aquela sensação de "uaaaau que coisa louca. Nunca vi antes algo assim" (confesso que o fato de eu ter lido depois de "uma chama entre as cinzas" me estragou para outras séries no estilo).

A escrita da autora é muito gostosa! As páginas passam e você nem sente. Os fatos não são infantilizados ou então irreais. O livro é ao mesmo tempo cheio de coisas acontecendo e você fica querendo saber mais. Fora que os personagens secundários são bem construídos e você consegue se conectar com eles e não só com a protagonista. 

Estou muito empolgada pela continuação (que me falaram que é ótima!) e também para saber como o conflito vai se desenvolver.

Sobre o autor

Sarah J. Maas vive no sul da Califórnia, gosta dos filmes da Disney e música pop. Ela adora contos de fadas e balé, bebidas de café, e assistir programas de TV. Quando ela não está ocupada escrevendo romances de fantasia YA, gosta de explorar a costa da Califórnia.

Sobre a edição:



Meu deus que capa é essa?? Eu simplesmente AMO quando as capas são estilo "pintura" e azul é uma das minhas cores favoritas. As páginas tem uma diagramação ótima, os capítulos são curtos o que deixa a leitura dinâmica e a folhas são daquele estilo gostoso de pegar. Perfeito!

Nas telinhas:
A autora Sarah J. Maas revelou em seu twitter que “Trono de Vidro” será adaptado como série de televisão. O estúdio que comprou os direitos de adaptação é o The Mark Gordon Company (de Grey’s Anatomy e Criminal Minds).



Nota no Skoob


Deixe um comentário

segunda-feira, 18 de janeiro de 2016

Resenha: Trono de Vidro - Sarah J. Maas

Trono de Vidro
Autor: Sarah J. Maas
Ano: 2013 
Páginas: 392
Editora: Galera Record
Sinopse: Nas sombrias e sujas minas de sal de Endovier, uma jovem de 18 anos está cumprindo sua sentença. Celaena é uma assassina, e a melhor de Adarlan. Aprisionada e fraca, ela está quase perdendo as esperanças quando recebe uma proposta. Terá de volta sua liberdade se representar o príncipe de Adarlan em uma competição, lutando contra os mais habilidosos assassinos e larápios do reino. Endovier é uma sentença de morte, e cada duelo em Adarlan será para viver ou morrer. Mas se o preço é ser livre, ela está disposta a tudo.

O que achei

"– Por que nenhum de vocês está aqui? – Guardas são inúteis em uma biblioteca. – Ora, como ele estava errado! Bibliotecas estavam cheias de ideias. Talvez as mais perigosas e poderosas armas."

O livro conta a história de Celaena. Que mesmo jovem é uma das assassinas mais legendárias do momento. Ao ser traída, foi capturada e mantida como escrava em uma prisão. Até que, é "chamada" pela príncipe e ele lhe propõe a liberdade em troca de que ela seja a sua representante na competição que vai escolher o campeão do rei.

Celaena (ou Calena que foi como eu li o livro todo) no início é tudo o que eu poderia pedir para uma protagonista.
É sarcástica, forte, determinada e se orgulha do que é e não abaixa a cabeça (não por vontade própria pelo menos) para ninguém.

Porém, acredito que no decorrer do livro ela se perdeu um "pouquinho" na paixonite (o que fez eu ter dificuldade de vê-la como assassina impiedosa e etc. Apesar dela ser a assassina mais sem habilidades que eu já vi). Mas nada grave. 
Claro que, devemos destacar que Celaena é uma personagem marcada por um passado que a obrigou a amadurecer e ser temida como uma forma de defesa daqueles que poderiam lhe fazer mal. Como escrava viu as piores coisas, estupros, espancamentos, viu gente morrer assim como também precisou matar. Acredito que isso foi uma tentativa da autora de mostrar que ela no fundo era "só uma adolescente". Não sei até que ponto tenho medo disso estragar os próximos livros.

A Celaena no castelo fica de frete com várias coisas que não são do seu natural. Cortesãs, princesas, vestidos extravagantes, fofocas e batalhas "silenciosas" pela atenção do príncipe.

Celaena precisa fingir ser uma ladra "afetada" que caiu de paraquedas na competição para que não vire algo caso revele a sua identidade de lendária assassina.

Mas parece que não só a competição coloca sua vida em jogo. Assassinatos começam a acontecer no castelo. E os competidores vão sendo assasinadas de forma bruta um a um. Será ela um alvo?.
E sim. Tudo indica que no decorrer da série lidaremos com um triângulo amoroso. Mas, pelo menos no nesse livro, Celaena indica se importar mais com ela acima de todas as coisas. O que eu acho ótimo e realmente espero que isso não mude. Não sei vocês, mas eu odeio quando o romance faz a personagem perder o foco do que é mais importante e toma decisões sem pensar.

Não que eu esteja shippando, mas eu adorei o capitão Chaol. E se a Celaena precisa da minha bênção (kkkk) para um namoro, que seja com ele.
Nada contra o príncipe! Mas eu tenho um pré desgosto com príncipes em livros desse tipo. Vai entender. Sou estranha. Chaol é "rabugento", aquele tipo que faz pequenos gestos fofos e finge que não liga. Own.

Mas quem sabe no decorrer não mudo não é? Estou tentando não me apegar a ninguém nesse sentido amoroso. Sou team Celaena mesmo.

Sobre a construção de mundo, eu gostei bastante do cenário do livro. As provas, os personagens e mais... Porém, devo destacar que não vi nada de "novo" neste primeiro livro da trilogia. Não quero comparar com outras séries já lançadas, mas eu não tive aquela sensação de "uaaaau que coisa louca. Nunca vi antes algo assim" (confesso que o fato de eu ter lido depois de "uma chama entre as cinzas" me estragou para outras séries no estilo).

A escrita da autora é muito gostosa! As páginas passam e você nem sente. Os fatos não são infantilizados ou então irreais. O livro é ao mesmo tempo cheio de coisas acontecendo e você fica querendo saber mais. Fora que os personagens secundários são bem construídos e você consegue se conectar com eles e não só com a protagonista. 

Estou muito empolgada pela continuação (que me falaram que é ótima!) e também para saber como o conflito vai se desenvolver.

Sobre o autor

Sarah J. Maas vive no sul da Califórnia, gosta dos filmes da Disney e música pop. Ela adora contos de fadas e balé, bebidas de café, e assistir programas de TV. Quando ela não está ocupada escrevendo romances de fantasia YA, gosta de explorar a costa da Califórnia.

Sobre a edição:



Meu deus que capa é essa?? Eu simplesmente AMO quando as capas são estilo "pintura" e azul é uma das minhas cores favoritas. As páginas tem uma diagramação ótima, os capítulos são curtos o que deixa a leitura dinâmica e a folhas são daquele estilo gostoso de pegar. Perfeito!

Nas telinhas:
A autora Sarah J. Maas revelou em seu twitter que “Trono de Vidro” será adaptado como série de televisão. O estúdio que comprou os direitos de adaptação é o The Mark Gordon Company (de Grey’s Anatomy e Criminal Minds).



Nota no Skoob