Tubarão
Autor: Peter Benchley
Ano: 2015  
Páginas: 276
Editora: Darkside Books
Sinopse: Devore ou seja devorado Você não está vendo, mas ele está lá no fundo, observando suas pernas se mexerem nas águas turvas. A mais perfeita máquina assassina da natureza, o predador que mantém seu posto no topo da cadeia alimentar desde a época dos dinossauros. Um torpedo de carne, ossos e dentes. Não há para onde fugir. Se você sempre devorou livros, chegou a hora da revanche. Tubarão é o clássico romance de Peter Benchley que deu origem ao primeiro blockbuster de Steven Spielberg. Mas, mesmo antes do sucesso na telona, o frenesi alimentar de Jaws se transformou num fenômeno de vendas. O best-seller internacional foi o principal responsável em elevar a fera de barbatanas dorsais ao status de perfeita encarnação do mal. Se já existiu um bicho-papão na natureza, ele está dentro d’água. A história se passa em Amity, um balneário ficcional situado em Long Island, Nova York. Quando o corpo de uma turista é encontrado na praia o chefe de polícia Martin Brody ordena o fechamento das praias da região.

O que achei:
Primeiramente, post com trilha sonora! 




"Os tubarões têm tudo o que um cientista sonha. São bonitos - Deus, como são bonitos! São como uma máquina perfeita. São elegantes como qualquer pássaro. São tão misteriosos quanto qualquer animal na Terra. Ninguém sabe ao certo quanto tempo vive ou a quais impulsos - exceto a fome - respondem. Existem mais de duzentas e cinquenta espécies de tubarões, e cada uma é diferente da outra."

Desde criança eu sou completamente apaixonada por tubarões. E até hoje todos os filmes que saem eu assisto várias e várias vezes (haha sim, até mesmo sharknado), então eis que a Darkside decide publicar esse clássico e eu fiquei louca!

Depois de muitas tentativas eu finalmente consegui adquirir na blackfriday e fui logo ler. 

O livro se passa em uma cidade pequena de veraneio chamada Amity. A cidade é calma a maior parte do ano com os seus pouco mais de mil habitantes. E o ano todo gira em torno da espera pelos meses de verão, que a população chega a mais de 10 mil habitantes e os habitantes podem lucrar com os turistas. Porém uma ameaça chega vindo das águas. Um corpo é achado na praia e tudo indica que o seu corpo foi atacado pelo grande tubarão branco. 

Confesso que estava com medo de como seriam relatadas as partes do tubarão e DEUS! Eu amei. As partes do autor relatando o tubarão nas águas sentindo as vibrações no mar, a forma como ele "sentia" uma presa! Gente que cuidado! No início o autor relata o seu amor pelos tubarões (e dá pra sentir isso no modo que ele descreve). Eu me senti ali vendo um documentário. Ótimo!


"Tubarões são como assassinos com um machado, Martin. As pessoas reagem a eles de forma passional. Tem algo de louco, maligno, incontrolável sobre eles."

Porém, devo destacar que o livro não é SOBRE o tubarão. E esta não era mesmo a ideia do autor (isso é explicado na introdução). E sim sobre como um tubarão poderia mudar a dinâmica de uma cidade pequena que praticamente sobrevive do turismo no verão e até onde a ganância (e o instinto de sobrevivência) do homem pode ir.



O livro fala sobre relações humanas, sobre a vida e sobre o cotidiano. Ah. E tem até mesmo cenas de sexo. Quem diria ein? Então crianças, por favor, fiquem longe haha. Eu confesso que esse foi um fator que me assustou pois eu não imaginaria que teria. Enfim, o livro é um verdadeiro prato de elementos! Quando você pensa que o livro vai girar ao redor dos ataques... BAM, um mistério vai te envolvendo e quando você percebe já está totalmente envolvido por uma ameaça bem maior do que o grande tubarão branco!

“O gigantesco peixe movia-se em silêncio pelas águas da noite, empurrado pelos toques curtos de sua cauda em formato de meia-lua.”

No livro conhecemos o oficial Martin Brody e a sua esposa Ellen Brody. Os dois tem dois filhos e estão naquele momento do casamento em que as dúvidas começam a surgir sobre os motivos que os levaram a ficar juntos. Martin é um típico policial de cidade pequena. Idealista e que acredita que o seu papel é proteger a cidade de qualquer ameaça, porém com a chegada do tubarão ele vê que o buraco é mais fundo que o mar. Quantos os corpos começam a aparecer, ele tenta fechar a praia, mas os políticos e empresários locais resolvem que isso será péssimo para os negócios locais. O que não deixa de ser verdade. Pois a cada inverno, ao menos três famílias passam necessidade por não ter de onde tirar o sustento.
Diferente do filme (Sim, este foi o livro que originou o clássico filme "Tubarão" (que vou rever hoje mesmo é claro) o livro foca bastante na vida do Martin. E da sua esposa também.
Ellen era a típica garota da sociedade. Que se reunia com as amigas para falar sobre viagens, compras e namoro com os meninos populares. Porem, tudo mudou quando ela conheceu Martin. Se apaixonou e resolveu se casar achando que ele era o seu destino.

Só que muitos anos e alguns filhos depois, Ellen está confusa. E alguém do seu passado aparece para semear ainda mais dúvidas na sua cabeça.
Matthew Hooper é um estudioso de tubarões e quando os ataques começam ele vai até a cidade tentar resolver esse mistério do porque dos ataques. E ao reencontrar Ellen, lembra que ela é ex namorada do seu irmão mais velho. E por quem ele tinha uma quedinha juvenil.

O livro é dividido em três partes. A primeira gira em torno da chegada do tubarão e dos ataques. Na segunda somos apresentados a essa "guerra fria" entre um casal. Crises de meia idade e arrependimentos. Na terceira, enfim, acontece a batalha. Três homens versus a natureza.

Quem vai vencer?

Existe mesmo um vencedor?



Tubarão é curtinho (dá pra ler em um dia de tão fluido), muito bem escrito e edição maravilhosa! O que pedir mais? Recomendadíssimo! Só não levou nota máxima pelo fato da terceira parte ter sido um pouco monótona em alguns poucos momentos. Mas, sensacional mesmo assim!

Sobre o autor

Proveniente da terceira geração de uma família de escritores, Peter Benchley se tornou um autor mundialmente famoso ao lançar a obra Tubarão em 1974, um dos maiores fenômenos literários de todos os tempos. Em poucas semanas foram vendidos oito milhões de exemplares, sendo traduzido para 10 idiomas. Peter Benchley é natural de Nova Iorque, onde nasceu, a 6 de maio de 1940. Filho de uma família de intelectuais, realizou os seus primeiros estudos na Academia Phillips, de Exeter, lugar onde estudaram o pai e o avô, formando-se em inglês, com louvor, pela Universidade de Harvard, em 1961. Após a formatura, por quase dois anos viajou pelo mundo. Sobre essas experiências escreveu Time and Ticket, obra quase inédita, que nunca passou da primeira edição. Depois de passar alguns meses escrevendo a seção de necrológicos do Washington Post, trabalhou posteriormente no Newsweek e na Casa Branca como ghost writer no governo de Lyndon B. Johnson. O escritor morreu aos 65 anos, em 11 de Fevereiro de 2006 vítima de fibrose ideopática pulmonar. Além do best seller Tubarão, Benchley escreveu outras novelas como Do fundo do mar, A ilha, entre outros. Foi membro da ONG de defesa da vida marinha SeaWeb 

Sobre a edição


Gente. A edição que eu tenho é da Darkside Books. O QUE eu posso falar dela a não ser que é perfeita!!? A minha é a capa dura (mas a brochura arrasa e eu confesso que eu quero ela também!) a capa é aquele estilo soft, com essa boca enorme que logo chama a atenção!! Os detalhes dentro, com as fotos do tubarão.. AAAARG! Eu amo tubarão ne? Então a minha vontade é colocar todas na minha parede.

Nas telinhas


A adaptação para o cinema, escrita pelo próprio Benchley e Carl Gottlieb, e dirigida por Steven Spielberg, foi lançada pela Universal Pictures em junho de 1975. Em poucas semanas arrecadou mais de 120 milhões de dólares: o filme de maior bilheteria até então.
O filme teve uma produção complicada, estourando o orçamento de US$4 milhões até 9 milhões, vendo muitos atrasos e enfrentando problemas com o tubarão mecânico que levaram muitas cenas a apenas sugerir a presença do predador. Apesar disso, foi bem recebido pela crítica, sendo considerado um clássico do cinema, e se tornou um grande sucesso de bilheteria, conseguindo o que foi à época o maior faturamento da história com 470 milhões de dólares. Tubarão é creditado junto com Star Wars (br: Guerra nas Estrelas), de George Lucas, como iniciador da era dos filmes arrasa-quarteirão (blockbuster). No Brasil o filme também fez muito sucesso, tendo levado mais de 13 milhões de pessoas aos cinemas. No mundo, beirou o público de 250 milhões de pessoas, sendo um dos filmes mais vistos de todos os tempos. Se hoje lançado, arrecadaria mais de 2 bilhões de dólares em bilheteria.






O filme ganhou alguns prêmios importantes como o Oscar (melhor trilha, melhor montagem e melhor som), BAFTA (melhor música de filme), Globo de Ouro (melhor trilha), Grammy (melhor trilha), People's Choice Awards (filme favorito) dentre outros!
Já deu pra ver que a trilha sonora arrazou não é? Até hoje NÃO TEM COMO escutar aquela música e não pensar no tubarão:

Nota no Skoob (4,5)



Beijos!


2 Comentários

Deixe um comentário

terça-feira, 29 de dezembro de 2015

Resenha: Tubarão - Peter Benchley

Tubarão
Autor: Peter Benchley
Ano: 2015  
Páginas: 276
Editora: Darkside Books
Sinopse: Devore ou seja devorado Você não está vendo, mas ele está lá no fundo, observando suas pernas se mexerem nas águas turvas. A mais perfeita máquina assassina da natureza, o predador que mantém seu posto no topo da cadeia alimentar desde a época dos dinossauros. Um torpedo de carne, ossos e dentes. Não há para onde fugir. Se você sempre devorou livros, chegou a hora da revanche. Tubarão é o clássico romance de Peter Benchley que deu origem ao primeiro blockbuster de Steven Spielberg. Mas, mesmo antes do sucesso na telona, o frenesi alimentar de Jaws se transformou num fenômeno de vendas. O best-seller internacional foi o principal responsável em elevar a fera de barbatanas dorsais ao status de perfeita encarnação do mal. Se já existiu um bicho-papão na natureza, ele está dentro d’água. A história se passa em Amity, um balneário ficcional situado em Long Island, Nova York. Quando o corpo de uma turista é encontrado na praia o chefe de polícia Martin Brody ordena o fechamento das praias da região.

O que achei:
Primeiramente, post com trilha sonora! 




"Os tubarões têm tudo o que um cientista sonha. São bonitos - Deus, como são bonitos! São como uma máquina perfeita. São elegantes como qualquer pássaro. São tão misteriosos quanto qualquer animal na Terra. Ninguém sabe ao certo quanto tempo vive ou a quais impulsos - exceto a fome - respondem. Existem mais de duzentas e cinquenta espécies de tubarões, e cada uma é diferente da outra."

Desde criança eu sou completamente apaixonada por tubarões. E até hoje todos os filmes que saem eu assisto várias e várias vezes (haha sim, até mesmo sharknado), então eis que a Darkside decide publicar esse clássico e eu fiquei louca!

Depois de muitas tentativas eu finalmente consegui adquirir na blackfriday e fui logo ler. 

O livro se passa em uma cidade pequena de veraneio chamada Amity. A cidade é calma a maior parte do ano com os seus pouco mais de mil habitantes. E o ano todo gira em torno da espera pelos meses de verão, que a população chega a mais de 10 mil habitantes e os habitantes podem lucrar com os turistas. Porém uma ameaça chega vindo das águas. Um corpo é achado na praia e tudo indica que o seu corpo foi atacado pelo grande tubarão branco. 

Confesso que estava com medo de como seriam relatadas as partes do tubarão e DEUS! Eu amei. As partes do autor relatando o tubarão nas águas sentindo as vibrações no mar, a forma como ele "sentia" uma presa! Gente que cuidado! No início o autor relata o seu amor pelos tubarões (e dá pra sentir isso no modo que ele descreve). Eu me senti ali vendo um documentário. Ótimo!


"Tubarões são como assassinos com um machado, Martin. As pessoas reagem a eles de forma passional. Tem algo de louco, maligno, incontrolável sobre eles."

Porém, devo destacar que o livro não é SOBRE o tubarão. E esta não era mesmo a ideia do autor (isso é explicado na introdução). E sim sobre como um tubarão poderia mudar a dinâmica de uma cidade pequena que praticamente sobrevive do turismo no verão e até onde a ganância (e o instinto de sobrevivência) do homem pode ir.



O livro fala sobre relações humanas, sobre a vida e sobre o cotidiano. Ah. E tem até mesmo cenas de sexo. Quem diria ein? Então crianças, por favor, fiquem longe haha. Eu confesso que esse foi um fator que me assustou pois eu não imaginaria que teria. Enfim, o livro é um verdadeiro prato de elementos! Quando você pensa que o livro vai girar ao redor dos ataques... BAM, um mistério vai te envolvendo e quando você percebe já está totalmente envolvido por uma ameaça bem maior do que o grande tubarão branco!

“O gigantesco peixe movia-se em silêncio pelas águas da noite, empurrado pelos toques curtos de sua cauda em formato de meia-lua.”

No livro conhecemos o oficial Martin Brody e a sua esposa Ellen Brody. Os dois tem dois filhos e estão naquele momento do casamento em que as dúvidas começam a surgir sobre os motivos que os levaram a ficar juntos. Martin é um típico policial de cidade pequena. Idealista e que acredita que o seu papel é proteger a cidade de qualquer ameaça, porém com a chegada do tubarão ele vê que o buraco é mais fundo que o mar. Quantos os corpos começam a aparecer, ele tenta fechar a praia, mas os políticos e empresários locais resolvem que isso será péssimo para os negócios locais. O que não deixa de ser verdade. Pois a cada inverno, ao menos três famílias passam necessidade por não ter de onde tirar o sustento.
Diferente do filme (Sim, este foi o livro que originou o clássico filme "Tubarão" (que vou rever hoje mesmo é claro) o livro foca bastante na vida do Martin. E da sua esposa também.
Ellen era a típica garota da sociedade. Que se reunia com as amigas para falar sobre viagens, compras e namoro com os meninos populares. Porem, tudo mudou quando ela conheceu Martin. Se apaixonou e resolveu se casar achando que ele era o seu destino.

Só que muitos anos e alguns filhos depois, Ellen está confusa. E alguém do seu passado aparece para semear ainda mais dúvidas na sua cabeça.
Matthew Hooper é um estudioso de tubarões e quando os ataques começam ele vai até a cidade tentar resolver esse mistério do porque dos ataques. E ao reencontrar Ellen, lembra que ela é ex namorada do seu irmão mais velho. E por quem ele tinha uma quedinha juvenil.

O livro é dividido em três partes. A primeira gira em torno da chegada do tubarão e dos ataques. Na segunda somos apresentados a essa "guerra fria" entre um casal. Crises de meia idade e arrependimentos. Na terceira, enfim, acontece a batalha. Três homens versus a natureza.

Quem vai vencer?

Existe mesmo um vencedor?



Tubarão é curtinho (dá pra ler em um dia de tão fluido), muito bem escrito e edição maravilhosa! O que pedir mais? Recomendadíssimo! Só não levou nota máxima pelo fato da terceira parte ter sido um pouco monótona em alguns poucos momentos. Mas, sensacional mesmo assim!

Sobre o autor

Proveniente da terceira geração de uma família de escritores, Peter Benchley se tornou um autor mundialmente famoso ao lançar a obra Tubarão em 1974, um dos maiores fenômenos literários de todos os tempos. Em poucas semanas foram vendidos oito milhões de exemplares, sendo traduzido para 10 idiomas. Peter Benchley é natural de Nova Iorque, onde nasceu, a 6 de maio de 1940. Filho de uma família de intelectuais, realizou os seus primeiros estudos na Academia Phillips, de Exeter, lugar onde estudaram o pai e o avô, formando-se em inglês, com louvor, pela Universidade de Harvard, em 1961. Após a formatura, por quase dois anos viajou pelo mundo. Sobre essas experiências escreveu Time and Ticket, obra quase inédita, que nunca passou da primeira edição. Depois de passar alguns meses escrevendo a seção de necrológicos do Washington Post, trabalhou posteriormente no Newsweek e na Casa Branca como ghost writer no governo de Lyndon B. Johnson. O escritor morreu aos 65 anos, em 11 de Fevereiro de 2006 vítima de fibrose ideopática pulmonar. Além do best seller Tubarão, Benchley escreveu outras novelas como Do fundo do mar, A ilha, entre outros. Foi membro da ONG de defesa da vida marinha SeaWeb 

Sobre a edição


Gente. A edição que eu tenho é da Darkside Books. O QUE eu posso falar dela a não ser que é perfeita!!? A minha é a capa dura (mas a brochura arrasa e eu confesso que eu quero ela também!) a capa é aquele estilo soft, com essa boca enorme que logo chama a atenção!! Os detalhes dentro, com as fotos do tubarão.. AAAARG! Eu amo tubarão ne? Então a minha vontade é colocar todas na minha parede.

Nas telinhas


A adaptação para o cinema, escrita pelo próprio Benchley e Carl Gottlieb, e dirigida por Steven Spielberg, foi lançada pela Universal Pictures em junho de 1975. Em poucas semanas arrecadou mais de 120 milhões de dólares: o filme de maior bilheteria até então.
O filme teve uma produção complicada, estourando o orçamento de US$4 milhões até 9 milhões, vendo muitos atrasos e enfrentando problemas com o tubarão mecânico que levaram muitas cenas a apenas sugerir a presença do predador. Apesar disso, foi bem recebido pela crítica, sendo considerado um clássico do cinema, e se tornou um grande sucesso de bilheteria, conseguindo o que foi à época o maior faturamento da história com 470 milhões de dólares. Tubarão é creditado junto com Star Wars (br: Guerra nas Estrelas), de George Lucas, como iniciador da era dos filmes arrasa-quarteirão (blockbuster). No Brasil o filme também fez muito sucesso, tendo levado mais de 13 milhões de pessoas aos cinemas. No mundo, beirou o público de 250 milhões de pessoas, sendo um dos filmes mais vistos de todos os tempos. Se hoje lançado, arrecadaria mais de 2 bilhões de dólares em bilheteria.






O filme ganhou alguns prêmios importantes como o Oscar (melhor trilha, melhor montagem e melhor som), BAFTA (melhor música de filme), Globo de Ouro (melhor trilha), Grammy (melhor trilha), People's Choice Awards (filme favorito) dentre outros!
Já deu pra ver que a trilha sonora arrazou não é? Até hoje NÃO TEM COMO escutar aquela música e não pensar no tubarão:

Nota no Skoob (4,5)



Beijos!