O Vilarejo
Autor: Raphael Montes
Ano: 2015 
Páginas: 96
Editora: Suma de Letras
Sinopse: Em 1589, o padre e demonologista Peter Binsfeld fez a ligação de cada um dos pecados capitais a um demônio, supostamente responsável por invocar o mal nas pessoas. É a partir daí que Raphael Montes cria sete histórias situadas em um vilarejo isolado, apresentando a lenta degradação dos moradores do lugar, e pouco a pouco o próprio vilarejo vai sendo dizimado, maculado pela neve e pela fome. As histórias podem ser lidas em qualquer ordem, sem prejuízo de sua compreensão, mas se relacionam de maneira complexa, de modo que ao término da leitura as narrativas convergem para uma única e surpreendente conclusão.

O que achei
Este foi o meu primeiro contato com o aclamado autor brasileiro Raphael Montes. Cujos livros estão fazendo sucesso em meio aos leitores.
Porém, felizmente, isso não fez com que eu fosse com o autor as expectativas lá no alto e consegui ler o livro sem julgar pela fama.

O livro é dividido em sete contos. Cada conto sobre um demônio responsável por invocar um dos pecados capitais: Asmodeus (luxúria), Belzebu (gula), Mammon (ganância), Belphegor (preguiça), Satan (ira), Leviathan (inveja) e Lúcifer (soberba).

No início do livro somos apresentados a um mistério sobre como o autor chegou até esses contos (eu adoro essas coisas que são para dar um medinho aos leitores haha) e como ele ali é o tradutor deles, que foram encontrados em uma língua que já não existe e etc. 
O Raphael escreve de uma forma gostosa e bem feita.
Somos então apresentados ao Vilarejo. Um local esquecido e dominado pelo frio e pela fome. Uma fome que leva a loucura é um frio da melancolia.


Primeira ilustração. Feita por Marcelo Damm 
O primeiro conto "Belzebu" me prendeu de tal forma que foi o que eu não parasse de ler! O mistério logo é construído e você não desgruda os olhos enquanto não descobre os mistérios do Vilarejo.
Depois dele, cada conto aborda um acontecimento no Vilarejo, muitas vezes em épocas diferentes ou pontos de vistas diferentes, e perguntas de outros contos acabam sendo respondidas.

E nossa! O último conto é.. Juro que nem tenho palavras! Ali, lendo a conclusão de tudo parei e falei "meu deus!!!". Quanto tempo eu não ficava assim com um livro? Nem lembro!
E o posfácio então?

Raphael com certeza é um destaque para os escritores nacionais! É um nível tão alto!
A história é bem bolada, os personagens são bem construídos e eu consegui imaginar perfeitamente todos na minha cabeça (isso porque o autor não precisa dar detalhes das características para que você visualize a situação). O Raphael aborda o ser humano em situações limites e levantando a discussão de até onde o ser humano pode ir para satisfazer os seus desejos e o melhor, faz com que o leitor reflita sobre estar naquela situação. 
Apesar de serem vários contos, todos são interligados entre sí formando no fim uma história completa.

O livro é super curtinho, as ilustrações são lindas (e melhor, elas são realmente parte da história) e a escrita do Raphael é muito gostosa e impressionante. E mesmo eu que não sou TÃAAO apaixonada por livro de contos, devorei cada página. Você lê rapidinho e nem sente de tão envolvido que está! Mal posso esperar para ler outras coisas do autor.


Incriiiiiiivel!


“Perceba... Nunca inseri o pecado ou o mal nas pessoas. O mal já estava lá. Eu apenas o potencializei.”

Sobre o autor:

Nasceu em 1990, no Rio de Janeiro. Advogado e escritor, publicou contos em diversas antologias de mistério, inclusive na Playboy e na prestigiada revista americana Ellery Queen Mystery Magazine. Suicidas (Saraiva), romance de estreia do autor, foi finalista do prêmio Benvirá de Literatura 2010, do prêmio Machado de Assis 2012 da Biblioteca Nacional e do prêmio São Paulo de Literatura 2013.

Sobre a edição:
Infelizmente eu li no kindle, mas tive a oportunidade de ver a edição física e MEU DEUS! Que perfeição. Pretendo adquirir em breve. Suma arrazou!!

Nota no Skoob



xX Beijos! Xx


2 Comentários

Deixe um comentário

sábado, 14 de novembro de 2015

Resenha: O Vilarejo - Raphael Montes

O Vilarejo
Autor: Raphael Montes
Ano: 2015 
Páginas: 96
Editora: Suma de Letras
Sinopse: Em 1589, o padre e demonologista Peter Binsfeld fez a ligação de cada um dos pecados capitais a um demônio, supostamente responsável por invocar o mal nas pessoas. É a partir daí que Raphael Montes cria sete histórias situadas em um vilarejo isolado, apresentando a lenta degradação dos moradores do lugar, e pouco a pouco o próprio vilarejo vai sendo dizimado, maculado pela neve e pela fome. As histórias podem ser lidas em qualquer ordem, sem prejuízo de sua compreensão, mas se relacionam de maneira complexa, de modo que ao término da leitura as narrativas convergem para uma única e surpreendente conclusão.

O que achei
Este foi o meu primeiro contato com o aclamado autor brasileiro Raphael Montes. Cujos livros estão fazendo sucesso em meio aos leitores.
Porém, felizmente, isso não fez com que eu fosse com o autor as expectativas lá no alto e consegui ler o livro sem julgar pela fama.

O livro é dividido em sete contos. Cada conto sobre um demônio responsável por invocar um dos pecados capitais: Asmodeus (luxúria), Belzebu (gula), Mammon (ganância), Belphegor (preguiça), Satan (ira), Leviathan (inveja) e Lúcifer (soberba).

No início do livro somos apresentados a um mistério sobre como o autor chegou até esses contos (eu adoro essas coisas que são para dar um medinho aos leitores haha) e como ele ali é o tradutor deles, que foram encontrados em uma língua que já não existe e etc. 
O Raphael escreve de uma forma gostosa e bem feita.
Somos então apresentados ao Vilarejo. Um local esquecido e dominado pelo frio e pela fome. Uma fome que leva a loucura é um frio da melancolia.


Primeira ilustração. Feita por Marcelo Damm 
O primeiro conto "Belzebu" me prendeu de tal forma que foi o que eu não parasse de ler! O mistério logo é construído e você não desgruda os olhos enquanto não descobre os mistérios do Vilarejo.
Depois dele, cada conto aborda um acontecimento no Vilarejo, muitas vezes em épocas diferentes ou pontos de vistas diferentes, e perguntas de outros contos acabam sendo respondidas.

E nossa! O último conto é.. Juro que nem tenho palavras! Ali, lendo a conclusão de tudo parei e falei "meu deus!!!". Quanto tempo eu não ficava assim com um livro? Nem lembro!
E o posfácio então?

Raphael com certeza é um destaque para os escritores nacionais! É um nível tão alto!
A história é bem bolada, os personagens são bem construídos e eu consegui imaginar perfeitamente todos na minha cabeça (isso porque o autor não precisa dar detalhes das características para que você visualize a situação). O Raphael aborda o ser humano em situações limites e levantando a discussão de até onde o ser humano pode ir para satisfazer os seus desejos e o melhor, faz com que o leitor reflita sobre estar naquela situação. 
Apesar de serem vários contos, todos são interligados entre sí formando no fim uma história completa.

O livro é super curtinho, as ilustrações são lindas (e melhor, elas são realmente parte da história) e a escrita do Raphael é muito gostosa e impressionante. E mesmo eu que não sou TÃAAO apaixonada por livro de contos, devorei cada página. Você lê rapidinho e nem sente de tão envolvido que está! Mal posso esperar para ler outras coisas do autor.


Incriiiiiiivel!


“Perceba... Nunca inseri o pecado ou o mal nas pessoas. O mal já estava lá. Eu apenas o potencializei.”

Sobre o autor:

Nasceu em 1990, no Rio de Janeiro. Advogado e escritor, publicou contos em diversas antologias de mistério, inclusive na Playboy e na prestigiada revista americana Ellery Queen Mystery Magazine. Suicidas (Saraiva), romance de estreia do autor, foi finalista do prêmio Benvirá de Literatura 2010, do prêmio Machado de Assis 2012 da Biblioteca Nacional e do prêmio São Paulo de Literatura 2013.

Sobre a edição:
Infelizmente eu li no kindle, mas tive a oportunidade de ver a edição física e MEU DEUS! Que perfeição. Pretendo adquirir em breve. Suma arrazou!!

Nota no Skoob



xX Beijos! Xx