Misery (Louca Obsessão)
Autor: Stephen King
Ano: 2014 
Páginas: 326
Editora: Suma de Letras
Sinopse:Paul Sheldon é um famoso escritor reconhecido pela série de best-sellers protagonizados por Misery Chastain. No dia em que termina de escrever um novo manuscrito, decide sair para comemorar, apesar da forte nevasca. Após derrapar e sofrer um grave acidente de carro, Paul é resgatado pela enfermeira aposentada Annie Wilkes, que surge em seu caminho. A simpática senhora é também uma leitora voraz que se autointitula a fã número um do autor. No entanto, o desfecho do último livro com a personagem Misery desperta na enfermeira seu lado mais sádico e psicótico. Profundamente abalada, Annie o isola em um quarto e inicia uma série de torturas e ameaças, que só chegará ao fim quando ele reescrever a narrativa com o final que ela considera apropriado. Ferido e debilitado, Paul Sheldon terá que usar toda a criatividade para salvar a própria vida e, talvez, escapar deste pesadelo.

O que achei


"'- Meu nome é Annie Wilkes. E eu sou...' '- Eu sei. - disse ele. - Você é minha fã número um. '- Sim - respondeu ela, sorrindo. - É isso mesmo que eu sou."
.
O livro conta a história de Paul Sheldon, um famoso escritor, que tem uma personagem sensação nos seus livros. A Misery, que é amada por todas as mulheres. E apesar da personagem ser amada, ele odeia escrever sobre ela e odeia esses livros. E então ele decide trabalhar em um novo livro e acabar com essa série. É então que já com o livro em mãos, ele parte a caminho da editora. No caminho, em meio a uma nevasca, o seu carro acaba derrapando na estrada e ele é socorrido pela ex enfermeira Annie wilkes. Ali ele acha que foi salvo por um anjo. Bem. Ele não poderia estar mais enganado.


"Quando você olha para o abismo, o abismo também olha para você" (Parte I - Annie)

o livro é dividido em quatro partes: Annie, Misery, Paul e Deusa.
Na primeira parte, Annie, somos jogados direto com Paul já na casa de Annie. Em que através de flashbacks somos apresentados a alguns fatos que ocorreram até ele chegar lá. Nesta parte Annie finalmente lê o ultimo livro de Misery e descobre da sua morte. Totalmente transtonada, após punir Paul, compra uma máquina de escrever e diz que a partir de agora ele irá dar o jeito de ressucitar Misery. Mas essa tarefa será mais dificil do que Paul imagina. Afinal não é fácil enganar a sua fã numero 1. Atenta a todos os detalhes de todos os livros. 
Na segunda parte "Misery" somos apresentados aos capítulos escritos por Paul. Para o seu espanto, retornar ao mundo de Misery está sendo mais fácil do que ele imagina. E não só isso, este é o seu melhor trabalho. Só que as mudanças de humor de Annie estão cada vez mais frequentes, e Paul enfim começa a saber mais da sua fã. E bem, descobre de uma forma curiosa que ela também está escrevendo um livro. Resta saber se ele realmente irá querer participar desse livro. E meu Deus! Tem uma cena nessa parte.. Chocante!!!
Na terceira parte "Paul" e na queria parte "Deusa" os eventos são eletrizantes. Tem uma cena na terceira parte de perder o fôlego. Confesso que eu não sabia de que nada estava hahaha me apeguei a Annie, confesso. 

"Escrever não causa sofrimento, mas é fruto do sofrimento." (Parte II - Misery)

Annie, apesar de completamente louca, foi uma personagem que me agradou. Confesso. A loucura dela, por vezes quase inocente, me causou empatia. Empatia que Pail não causou, apesar de me agoniar pela situação em que ele estava.
Talvez seja o fato de eu, assim como ela, me apaixono pelas histórias que leio muitas vezes de tal forma que nem mesmo eu consigo controlar, kkkk, e algumas decisões de autores me deixam chateada, mas que depois "supero" e esqueço. Claro que aqui lidamos com um indivíduo com uma patologia que a deixa vulnerável quanto ao controle de certas emoções. Mas o amor de Annie por Misery, a personagem que de alguma forma vive tudo aquilo que ela não viveu, não é tão impossível como Paul acha. 


"Não dá. Venho tentando adormecer há meia hora e não consigo. Escrever aqui é como uma droga. É a única coisa pela qual eu anseio. Hoje à tarde eu li o que escrevi... e pareceu vívido. Eu sei que parece vívido porque minha imaginação preenche as partes que outra pessoa não entenderia. Quer dizer, é vaidade. Mas parece magia... E eu simplesmente não posso viver neste presente. Eu enlouqueceria se o fizesse.

" (Parte III - Paul)

Confesso que o amor/ódio "mercenário" de Paul com Misery me causou ate mais asco do que as torturas de Annie com ele.
Será que tenho que levar isso pra minha terapia? Leiam "Misery" e me falem. 

"— Você vai ser visitada por uma pessoa alta e morena — disse a cigana a Misery. E Misery, espantada, compreendeu duas coisas ao mesmo tempo: a mulher não era uma cigana, e as duas já não estavam sozinhas na tenda. Ela sentiu o cheiro de Gwendolyn Chastain no instante em que as mãos da mulher insana se fecharam em sua garganta. — Na verdade — disse a cigana que não era cigana —, acho que ela está aqui agora. Misery tentou gritar, mas já não podia nem respirar." (Parte IV - Deusa)

Brincadeiras a parte, o livro é incrível! A construção dos personagens é super bem feita e meu deus! As cenas de tortura são de você se arrepiar e "sentir" no seu corpo as coisas que a Annie faz com o Paul. (segunda parte estou falando com você). Incriiiiiivel. Recomendo!!!

Sobre o autor


Stephen King era um leitor fanático dos quadrinhos EC's horror comics incluindo Tales from the crypt, que estimulou seu amor pelo terror. Na escola, ele escrevia histórias baseadas nos filmes que assistia e as copiava com a ajuda de seu irmão David. King as vendia aos amigos, mas seus professores desaprovaram e o forçaram a parar. De 1966 a 1971, Stephen estudou Inglês na Universidade do Maine em Orono, onde ele escrevia uma coluna intitulada "King's Garbage Truck" para o jornal estudantil, o Maine Campus. Ele conheceu Tabitha Spruce lá e se casaram em 1971. O período que passou no campus influenciou muito em suas histórias, e os trabalhos que ele aceitava para poder pagar pelos seus estudos inspiraram histórias como "The Mangler" e o romance "Roadwork" (como Richard Bachman). 

Sobre a edição


Edição linda da Suma de Letras! Adorei essa capa, adorei a diagramação, adorei tudo.

Nas telinhas


O filme, lançado em 1990, foi dirigido por Rob Reiner e é estrelado por Kathy Bates que interpreta Annie Wilkes, o papel de Paul Sheldon, escritor o qual Annie Wilkes é obcecada é interpretado por James Caan (O Poderoso Chefão). 
Sinopse: Após sofrer um acidente em uma região isolada, um escritor é salvo por uma ex-enfermeira que é grande fã de seus livros. Entretanto, após saber que ele matou sua personagem mais famosa em seu próximo livro, ela passa a torturá-lo na intenção de fazer com que ele desista da decisão. Ela queima o livro anterior e o faz recomeçar outro. Logo,ele descobre o passado obscuro de Annie e passa a não confiar mais nela.






Obs: Kathy Bates ganhou o Oscar de melhor atriz por esse papel. Sendo assim a primeira atriz a ganhar o prêmio por um filme de suspense/terror.
Obs²:  O Instituto Americano do Cinema incluiu Annie Wilkes em sua lista de "100 Heróis e Vilões", posicionando-a em 17.° lugar.

Nota no Skoob





Deixe um comentário

segunda-feira, 26 de outubro de 2015

Resenha: Misery - Stephen King

Misery (Louca Obsessão)
Autor: Stephen King
Ano: 2014 
Páginas: 326
Editora: Suma de Letras
Sinopse:Paul Sheldon é um famoso escritor reconhecido pela série de best-sellers protagonizados por Misery Chastain. No dia em que termina de escrever um novo manuscrito, decide sair para comemorar, apesar da forte nevasca. Após derrapar e sofrer um grave acidente de carro, Paul é resgatado pela enfermeira aposentada Annie Wilkes, que surge em seu caminho. A simpática senhora é também uma leitora voraz que se autointitula a fã número um do autor. No entanto, o desfecho do último livro com a personagem Misery desperta na enfermeira seu lado mais sádico e psicótico. Profundamente abalada, Annie o isola em um quarto e inicia uma série de torturas e ameaças, que só chegará ao fim quando ele reescrever a narrativa com o final que ela considera apropriado. Ferido e debilitado, Paul Sheldon terá que usar toda a criatividade para salvar a própria vida e, talvez, escapar deste pesadelo.

O que achei


"'- Meu nome é Annie Wilkes. E eu sou...' '- Eu sei. - disse ele. - Você é minha fã número um. '- Sim - respondeu ela, sorrindo. - É isso mesmo que eu sou."
.
O livro conta a história de Paul Sheldon, um famoso escritor, que tem uma personagem sensação nos seus livros. A Misery, que é amada por todas as mulheres. E apesar da personagem ser amada, ele odeia escrever sobre ela e odeia esses livros. E então ele decide trabalhar em um novo livro e acabar com essa série. É então que já com o livro em mãos, ele parte a caminho da editora. No caminho, em meio a uma nevasca, o seu carro acaba derrapando na estrada e ele é socorrido pela ex enfermeira Annie wilkes. Ali ele acha que foi salvo por um anjo. Bem. Ele não poderia estar mais enganado.


"Quando você olha para o abismo, o abismo também olha para você" (Parte I - Annie)

o livro é dividido em quatro partes: Annie, Misery, Paul e Deusa.
Na primeira parte, Annie, somos jogados direto com Paul já na casa de Annie. Em que através de flashbacks somos apresentados a alguns fatos que ocorreram até ele chegar lá. Nesta parte Annie finalmente lê o ultimo livro de Misery e descobre da sua morte. Totalmente transtonada, após punir Paul, compra uma máquina de escrever e diz que a partir de agora ele irá dar o jeito de ressucitar Misery. Mas essa tarefa será mais dificil do que Paul imagina. Afinal não é fácil enganar a sua fã numero 1. Atenta a todos os detalhes de todos os livros. 
Na segunda parte "Misery" somos apresentados aos capítulos escritos por Paul. Para o seu espanto, retornar ao mundo de Misery está sendo mais fácil do que ele imagina. E não só isso, este é o seu melhor trabalho. Só que as mudanças de humor de Annie estão cada vez mais frequentes, e Paul enfim começa a saber mais da sua fã. E bem, descobre de uma forma curiosa que ela também está escrevendo um livro. Resta saber se ele realmente irá querer participar desse livro. E meu Deus! Tem uma cena nessa parte.. Chocante!!!
Na terceira parte "Paul" e na queria parte "Deusa" os eventos são eletrizantes. Tem uma cena na terceira parte de perder o fôlego. Confesso que eu não sabia de que nada estava hahaha me apeguei a Annie, confesso. 

"Escrever não causa sofrimento, mas é fruto do sofrimento." (Parte II - Misery)

Annie, apesar de completamente louca, foi uma personagem que me agradou. Confesso. A loucura dela, por vezes quase inocente, me causou empatia. Empatia que Pail não causou, apesar de me agoniar pela situação em que ele estava.
Talvez seja o fato de eu, assim como ela, me apaixono pelas histórias que leio muitas vezes de tal forma que nem mesmo eu consigo controlar, kkkk, e algumas decisões de autores me deixam chateada, mas que depois "supero" e esqueço. Claro que aqui lidamos com um indivíduo com uma patologia que a deixa vulnerável quanto ao controle de certas emoções. Mas o amor de Annie por Misery, a personagem que de alguma forma vive tudo aquilo que ela não viveu, não é tão impossível como Paul acha. 


"Não dá. Venho tentando adormecer há meia hora e não consigo. Escrever aqui é como uma droga. É a única coisa pela qual eu anseio. Hoje à tarde eu li o que escrevi... e pareceu vívido. Eu sei que parece vívido porque minha imaginação preenche as partes que outra pessoa não entenderia. Quer dizer, é vaidade. Mas parece magia... E eu simplesmente não posso viver neste presente. Eu enlouqueceria se o fizesse.

" (Parte III - Paul)

Confesso que o amor/ódio "mercenário" de Paul com Misery me causou ate mais asco do que as torturas de Annie com ele.
Será que tenho que levar isso pra minha terapia? Leiam "Misery" e me falem. 

"— Você vai ser visitada por uma pessoa alta e morena — disse a cigana a Misery. E Misery, espantada, compreendeu duas coisas ao mesmo tempo: a mulher não era uma cigana, e as duas já não estavam sozinhas na tenda. Ela sentiu o cheiro de Gwendolyn Chastain no instante em que as mãos da mulher insana se fecharam em sua garganta. — Na verdade — disse a cigana que não era cigana —, acho que ela está aqui agora. Misery tentou gritar, mas já não podia nem respirar." (Parte IV - Deusa)

Brincadeiras a parte, o livro é incrível! A construção dos personagens é super bem feita e meu deus! As cenas de tortura são de você se arrepiar e "sentir" no seu corpo as coisas que a Annie faz com o Paul. (segunda parte estou falando com você). Incriiiiiivel. Recomendo!!!

Sobre o autor


Stephen King era um leitor fanático dos quadrinhos EC's horror comics incluindo Tales from the crypt, que estimulou seu amor pelo terror. Na escola, ele escrevia histórias baseadas nos filmes que assistia e as copiava com a ajuda de seu irmão David. King as vendia aos amigos, mas seus professores desaprovaram e o forçaram a parar. De 1966 a 1971, Stephen estudou Inglês na Universidade do Maine em Orono, onde ele escrevia uma coluna intitulada "King's Garbage Truck" para o jornal estudantil, o Maine Campus. Ele conheceu Tabitha Spruce lá e se casaram em 1971. O período que passou no campus influenciou muito em suas histórias, e os trabalhos que ele aceitava para poder pagar pelos seus estudos inspiraram histórias como "The Mangler" e o romance "Roadwork" (como Richard Bachman). 

Sobre a edição


Edição linda da Suma de Letras! Adorei essa capa, adorei a diagramação, adorei tudo.

Nas telinhas


O filme, lançado em 1990, foi dirigido por Rob Reiner e é estrelado por Kathy Bates que interpreta Annie Wilkes, o papel de Paul Sheldon, escritor o qual Annie Wilkes é obcecada é interpretado por James Caan (O Poderoso Chefão). 
Sinopse: Após sofrer um acidente em uma região isolada, um escritor é salvo por uma ex-enfermeira que é grande fã de seus livros. Entretanto, após saber que ele matou sua personagem mais famosa em seu próximo livro, ela passa a torturá-lo na intenção de fazer com que ele desista da decisão. Ela queima o livro anterior e o faz recomeçar outro. Logo,ele descobre o passado obscuro de Annie e passa a não confiar mais nela.






Obs: Kathy Bates ganhou o Oscar de melhor atriz por esse papel. Sendo assim a primeira atriz a ganhar o prêmio por um filme de suspense/terror.
Obs²:  O Instituto Americano do Cinema incluiu Annie Wilkes em sua lista de "100 Heróis e Vilões", posicionando-a em 17.° lugar.

Nota no Skoob